26 de set de 2013


Relatos de viagem IV
Fortaleza à Natal
09/09 segunda feira
Saímos do hotel logo cedo, mas fizemos uma grande parada em Messejana, grande Fortaleza, para reparos no ônibus, mais uma vez o retentor de óleo do câmbio quebrou, e  foi a manhã inteira para troca de peças e reparos, aproveitamos para  fazer alguns serviços de auto elétrico e solda. Pegamos a BR -116 por volta das 14hs, estrada muito movimentada, mas com condições razoáveis. Ao anoitecer paramos em Mossoró, segunda maior cidade do Rio Grande do Norte, o nosso ônibus teatro ficou estacionado no Hotel onde causou grande curiosidade dos hóspedes e moradores locais. Me chamou  atenção como aumentou o número de pequenos túmulos enfeitados com flores na beira da estrada, muitos mesmo, de todos os jeitos e tamanhos, sinal de uma morte no local, entristecedor no meio da paisagem.
10/09 terça feira
Logo cedo na estrada com destino a Natal, com direito a uma parada para descanso em São Miguel do Gostoso, que dizem, tem praias maravilhosas, cenários exuberantes,  no nosso dia de folga vamos tentar conhecer um pouquinho da gostosura!!!
Até Caiçara do Rio dos Ventos a estrada foi tranquila, mas depois, muito buraco, terra, quase crateras onde o asfalto praticamente desaparecia,  foi assim pelo menos uns 20km, na verdade até chegar na BR-101, que dá acesso a São Miguel.
Hoje reparei que em alguns dos pequenos túmulos da estrada (deve ter um nome pra isso) colocam pedras...2,3,5, várias ...deve ter algum significado, talvez a quantidade de tempo do acidente. Fica muito claro como as estradas são inseguras e perigosas também para quem caminha por ela, na maioria das cidades a rodovia passa por dentro, acredito que a cidade se formou a partir dela, poucos acostamentos e quase nenhuma fiscalização.

11/09 quarta feira
Que delícia São Miguel do Gostoso, povo acolhedor, praias magníficas de água cristalina, muitas dunas e vento, muito vento!!!nunca tinha visto algo parecido, dizem que o vento é porque São Miguel fica na esquina do Brasil, onde o vento faz a curva...
Transporte ideal: Bug, pois alugamos um para temtas conhecer um pouco dessa gostosura!
Fomos à praia do Marco, onde aportaram os descobridores do Brasil, paramos na linda praia de Tourinhos, passamos por pequenos povoados cercados de dunas, onde a energia aeólica está sendo implantada em grande quantidade, é inusitada a  imagem das pequenas casinhas quase afundadas na areia, e ao fundo aqueles enormes postes que como um catavento gigante e futurista se misturam na paisagem.
Ao anoitecer visitamos o Farol, local onde começa a BR-101, estrada que liga Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul, são quase 5.000 Km de extensão, e nós, a partir de agora viajaremos por ela, por algum tempo.

12/09  quinta feira
Saímos de São Miguel do Gostoso por volta de 10h com destino a Natal, na saída da cidade paramos na “Arca do Tubarão” uma pousada/bar/restaurante/centro cultural,  espaço acolhedor,   onde discos, rádios, cachaças, relíquias e memórias dão um valor especial ao lugar.
Chegamos em Natal por volta de 14h, fomos direto ao Parque das Dunas, local das apresentações e também do estacionamento do ônibus. Na chegada uma falha no motor de partida e rapidamente foi acionado um serviço de auto elétrico que quando chegou já não era mais necessário, pois o ônibus ligou, mas confesso que pra mim restou uma certa preocupação se realmente estava tudo certo. Quando estacionamos mais uma desagradável surpresa:o lona que cobre o palco de cima do ônibus estava totalmente rasgada, na verdade saímos de SP com a lona remendada, em Fortaleza raspamos a lona no portão de entrada do parque juntando com  o vento que é muito forte na região fez com que o conserto não durasse, ainda bem que temos um dia para para correr atrás de uma solução.
13/09  sexta feira
Dia de produção em Natal: levar figurinos para lavanderia, ir ao banco, pagar contas, comprar parafusos e procurar uma solução para resolver o problema  da lona. Optamos por comprar uma lona de nylon,  pois uma nova e emborrachada tem que ser feita sob medida para o nosso ônibus, as de pronta entrega tem medidas muito diferentes, vamos torcer para  essa durar pelo menos até chegar em São Paulo. 
eliana Bolanho



19 de set de 2013

Fortaleza e Natal



Marias da Luz em Fortaleza
Dias 07 e 08 de setembro de 2013
Parque das Crianças
Público aproximado: 150 pessoas

Em Fortaleza, pela primeira vez em nossas viagens pelo Brasil,  fizemos num parque muito parecido com o da luz. Um parque bonito, no centro da cidade, com um belo lago e construções que, assim como na Luz, nos remetem a um outro tempo. E também como no parque da Luz,  bastante frequentado por prostitutas, ao lado da cracolândia de Fortaleza e quase sem crianças, embora o nome do parque seja esse!
O parque estava praticamente vazio quando chegamos lá para começarmos os preparativos do espetáculo e percebemos que nosso público foi pro parque especialmente para nos ver, deixando claro que não frequentavam o lugar. Um público muito carinhoso, que nos agradecia por estarmos ali, por termos escolhido aquele parque, um lugar tão lindo e completamente abandonado pelas questões sociais que ali se escancaram.
E por isso mesmo, nesse parque também fica a secretaria dos direitos humanos e a Julia, uma funcionária que trabalha lá, veio falar com a gente no final do espetáculo e disse que eles também fazem esse trabalho de recolher histórias das mulheres que frequentam o parque, base da criação do nosso espetáculo. Ela foi no sábado e no domingo levou um grupo de mulheres com quem trabalha. Foi emocionante! Mulheres que nos olhavam em cena com a cumplicidade de quem já conhece aquelas histórias.
Foram dois belos espetáculos, onde resgatamos um pouco do nosso processo criativo no parque da Luz: denso, sofrido, mas também forte e exuberante! 

Marias da Luz em Natal
Dias 14 e 15 de setembro
Parque das Dunas
Público aproximado: 250 pessoas

Dunas é um parque lindíssimo, é a segunda maior reserva urbana de  Mata Atlântica do Brasil. Não é à toa que encontramos macaquinhos por onde andamos e até uma cobra foi resgatada pela polícia florestal, quando estávamos nos preparando pro espetáculo. Alguns desses macacos roubaram a cena pois se aproximaram de nós no meio do espetáculo, como se quisessem entender o que se passava ali.
Esse parque fica também ao lado de um hospital psiquiátrico, Dr. João Machado, e segundo os frequentadores do parque, não é novidade quando algum deles pulam o muro e ficam andando pelo parque. E por causa disso, várias das pessoas que entravam no parque e não sabiam do espetáculo, ou não sabiam que ele já tinha começado, achavam que a primeira cena, onde uma mãe escreve no chão e coloca fotos desfocadas de sua filha desaparecida, era na verdade uma mulher que tinha fugido do hospital e que precisava ser levada de volta pra lá.  Isso foi muito impressionante em Natal. Como as pessoas confundiram a ficção com realidade. Teve gente que no final do espetáculo veio pedir desculpas e dizer que não sabia que se tratava de um "espetáculo" e por isso interferiram na cena. Um presente pra nós, que nos colocamos em um lugar cênico desafiador e mágico…
Nesse parque também tivemos nosso maior público. No domingo, aproximadamente 200 pessoas assistiram o espetáculo. Imagens lindas de muitas pessoas caminhando juntas entre as arvores, pássaros e macaquinhos simpáticos que acompanhavam o espetáculo!
              Juliana Gontijo

             Gostaria de acrescentar que em Natal ocorreu um fato inusitado: no final do espetáculo as pessoas acompanharam o ônibus, como uma procissão, como se quisessem continuar com a gente, foi emocionante!!!!
         Eliana Bolanho

                  

12 de set de 2013


RELATOS DE VIAGEM III        -       SÃO LUIS A FORTALEZA

02/09 - SEGUNDA FEIRA
Saímos de São Luis  por volta de 14h, sol forte, céu azul, calor intenso, e a gente de novo na estrada, agora com destino a Fortaleza. Tínhamos uma rota planejada, mas não sabíamos as condições da estrada, até que numa primeira parada encontramos um motorista muito simpático que deu a dica:  – Vá por Parnaíba que a estrada e muito boa!!! Imediatamente me veio a lembrança de um desejo: conhecer o Delta do Parnaíba. Consultamos o mapa e lá vamos nós, desta vez só Rafael Leite pilotando, e eu, de apoio técnico. Anoitecendo chegamos em Chapadinha, simpática cidade, ainda no estado do Maranhão. Estacionamos nosso ônibus teatro num Posto BR, desta vez não para abastecer, mas para dormir num hotel muito aconchegante, onde o recepcionista nos recebeu com atenção e curiosidade, querendo saber o que era o tal de Circular Teatro! ?



Saindo pra jantar  ouvimos som de cornetas ao longe, fomos até a praça central e lá encontramos o  ensaio de uma fanfarra, com instrumentos e balizas que ensaiavam as musicas e coreografias do desfile de “7 de Setembro”. No jantar tivemos a companhia de Dna Dodô, dona do restaurante e  professora aposentada muito simpática, que chegou na mesa dizendo assim “– Percebi que vcs são de fora, então quero conversar um pouco pra trocar  idéias! Posso me sentar?” E assim foi até o final da noite.

03/09 – Terça feira
Antes de sair de Chapadinha tivemos que parar num auto elétrico  pra soldar um fio que havia sido arrumado em São Luis, um calor intenso, uma cidade de muitas motos e bicicletas. Ainda pela manhã cruzamos o Rio Parnaíba e entramos no Piauí,no começo da tarde chegamos em Parnaíba –a capital do Delta das Américas.



04/09 – Quarta feira
Parada de um dia pra conhecer o Delta do Parnaíba!!! Incrível!!!  Mangue, Igarapé, Àgua de Rio, Água de Mar, Dunas, Raízes Flutuantes, tudo junto e misturado, um vento forte que refresca até a alma, e o sorriso largo do povo que nos recebe de braços abertos!!! Que delícia, que privilégio poder  estar aqui!!!
05/09 – Quinta feira
Depois da deliciosa  parada, pé na estrada que ainda temos quase 500Km até Fortaleza!! É impressionante como a mudança da paisagem na entrada do Ceará é espetacular, muitas pedras e serras, um mar de morros  pra nosso deleite.  Alguns trechos de estrada péssimos, mas nosso corajoso ônibus azul atravessa a serra com coragem e vontade de chegar, anoitece e chegamos a Fortaleza, cidade grande, trânsito lento, buzinas, confusão, mas junto com tudo isso o sorriso largo de um povo que olha com curiosidade o nosso Circular teatro passar.

Eliana Bolanho

5 de set de 2013


Uma das nossas (várias) preocupações durante o projeto era a incerteza de que o espetáculo funcionaria fora dos limites da Luz. Com tanta referência ao parque e com o cenário cinematográfico que o parque da Luz proporciona ao espetáculo, como funcionaria nosso espetáculo "Marias da Luz" fora dos limites do parque, cada semana em uma cidade diferente, percorrendo cinco regiões brasileiras? 
A cidade que mais confrontamos isso foi Goiânia, nossa primeira cidade fora do parque da Luz. Um parque muito bonito, mais parecido com o Ibirapuera de SP. Um parque mais voltado a atividades físicas. Foi nesse parque que nos deparamos pela primeira vez de fato com o que seria uma adaptação de um espetáculo de rua itinerante como o nosso e que fala de São Paulo para outro lugar. Percebemos que as cenas se deslocam em função do ônibus que participa (também itinerante) de três cenas do espetáculo. Em função das ruas que ele consegue transitar, adaptamos as outras cenas. O texto também foi ligeiramente adaptado. Quando a cidade de São Paulo aparece enquanto memória, recordação, fotografia, a citação é mantida. Mas se a ação é no presente, o texto é transferido para o espaço em que nos encontramos, para que a platéia tenha a sensação de que a trama se desenvolve no aqui e agora. 
Também nosso olhar sobre o espaço que escolhemos mudou. Mais do que um parque bonito e arborizado o espetáculo funciona em espaços históricos, que guardam um pouco de memória e do passado, o que encontramos nas regiões norte e nordeste e menos na centro-oeste.  Mesmo que esses locais, os centros históricos maravilhosos e caindo aos pedaços estejam em total abandono, o que dá uma tristeza infinita, registrar o abandono nacional de gente, nossa gente, e história, nossa história. Nosso espetáculo fala disso: abandono.
Temos um cena numa estação de trem que se passa em outra época. E deparamos com o fato já sabido da total ausência de linha férrea no Brasil. A presença da linha de trem no parque da Luz se transferiu para nosso espetáculo, mas o trem é fantasma  Brasil afora. 
A melhor surpresa nossa é que o espetáculo funciona como na Luz nas várias cidades que percorremos. As pessoas acompanham as personagens e se emocionam com elas independente de onde estamos. As histórias tem uma humanidade que permite o espectador acompanhar a história sem barreiras. Isso foi um presente.
Passado o primeiro susto de Goiânia, fomos para Planaltina e lá contamos com a presença do nosso diretor, o André Carreira. Que nos permitiu tiramos dúvidas da adaptação e discutirmos bastante sobre o espetáculo e a função de cada cena. 
Em Palmas já estávamos bem mais seguras  para fazer o espetáculo. Foi nesta cidade que uma das atrizes apresentou problemas de saúde. Como ela ainda não tinha aval médico para continuar fazendo o espetáculos tivemos que a toque de caixa rever algumas ações  e não prejudicar o andamento do projeto. Em Belém para não cancelarmos uma cidade e ganharmos tempo para ensaiar uma stand-in, fizemos o espetáculo Canto a canto. É um espetáculo de rua, também itinerante, com música e poesia, feito para apenas uma pessoa. 
No primeiro dia fizemos no parque (?)....... mas pela falta de público no segundo dia fomos para a praça da República, onde acontece uma grande feira de artesanato com um grande número de pessoas o que justifica mudança de espaço.
Nesse meio tempo contatamos uma atriz, o que não é tarefa fácil, pois precisávamos de alguém forte com atriz para pegar o papel rápido e que tivesse disponibilidade. Escolhemos a atriz Paola Musatti que estreou em São Luís - MA no dia 30/08 lindamente! Foram duas semanas para assistir o vídeo, decorar o texto, adaptar cenário, como as fotos de personagem que percorrem o espetáculo, adaptação do figurino e remanejamento de orçamento,  dois dias de ensaio em São Paulo no parque da Luz, onde o André Carrei

ra também estava presente. Um projeto desse porte está sujeito a chuvas e trovoadas! E após essa trovoada, seguimos para Fortaleza, torcendo para a melhora da nossa companheira, que ela volte logo! E agradecidas com o talento e disposição da Paola Musatti pra garantir o prosseguimento do projeto. Fé em Deus e pé na estrada!
Vera Abbud



4 de set de 2013

Peguei o trem pra Teresina, em São Luís do Maranhão...





A última parada minha, foi em Palmas-TO, não fui pra Belém-PA... que pena... Mas, fui pra São Luís-MA... terra do reggae, de casarões e muitas praças – como diz o Rafa: “Scooby, aqui cai um casarão, vira praça!” e é verdade, muitas praças no meio de vários casarões... o Centro Histórico é muito bonito.
Após sairmos de SP na sexta de madrugada, 23h35 o horário do vôo, chegamos na capital Maranhense por volta de 3h da manhã e no sábado cedinho fomos para Pça. Gonçalves Dias, reconhecer o espaço e ensaiar. Espaço reconhecido, ensaio técnico realizado, pausa para o almoço e corre pro segundo e mais importante tempo, a apresentação, estréia da Paola Musatti.
Pra uma palhaça nata, essa tal de Paola Musatti está se saindo muito bem, uma “Graça” eu diria, rsrsrsrsrsrs piada interna, rsrsrsrsrsrsrs. Substituindo nossa dramaturga querida e maravilhosa atriz Dani Schitini com muita competência, Eliana e Paolinha arrancaram aplausos do público na cena que Maria Pequena lê cartas para Mariana.
A apresentação foi um sucesso, hora de guardar o ônibus, curtir o final do sábado e repetir a apresentação no domingo, simples assim... até a página 2... pois é, saindo da Pça. Gonçalves Dias o nosso ônibus apagou os faróis e todas as luzes internas, ventilador... tudo, era uma pane elétrica em pleno sábado à noite.
Mas, conhecemos uma pessoa muito popular em São Luís, o Sr. Manoel, taxista, descolado e, graças a ele, no domingo de manhã, 8h pra ser preciso, lá estávamos Rafa e Eu esperando o “Manézinho”... Deu certo, ele acionou um auto-elétrico conhecido que resolveu o problema antes do almoço! Voltamos pro hotel e ainda deu tempo de dar uma volta na feira... presentinho pra minha sobrinha garantido.
Almoço no restaurante “Criolas” com sucos de bacuri, buriti, cajá, cupuaçu, mmmm muito bom! Bora apresentar na Pça. Gonçalves Dias de novo e eis que, mais uma surpresa, desta vez reservada por São Pedro, que escureceu o céu e mandou aquela chuva! Enquanto a chuva não passava a dúvida pairava em nossas cabeças: cancelar, ou esperar? Esperamos e apresentamos, com atraso, mas apresentamos e foi lindo, com um baita público.
Pra encerrar um jantar com música alta e comida demorada, mas nada disso importa, pois neste final de semana demos mais um importante passo no projeto, apresentamos “Marias da Luz” na 5ª capital, restando mais sete ainda, que venha Fortaleza-CE, nossa próxima parada.
PS: O título deste post é um trecho de uma música da banda Tribo de Jah, do Maranhão
Abraço! Scooby
(Tiago Machado)
 

Relatos de Viagem Palmas-Belém





Confesso que não tinha planejado, nem sequer pensado no assunto, mas qdo se aproximava o dia de seguir para Belém com nosso ônibus teatro, dentro de mim despertou um desejo de continuar a viagem no ônibus, não  poderia e nem queria perder essa oportunidade única de atravessar  3 estados brasileiros: Tocantins, Maranhão e Pará, no nosso valente ônibus azul, o nosso querido Circular Teatro. Mesmo sabendo que era um trecho mais longo, 1.258Km, com um pouco de receio da Rodovia Belém – Brasilia, que na verdade nos surpreendeu com suas boas condições, decidi com muita expectativa percorrer mais esse trecho junto com Rafael Leite pilotando e dessa vez no apoio técnico, direto de Cuba, Carlos Ceiro .
1 dia segunda feira, 05 de agosto
Saímos de Palmas por volta de 9hs, cortando caminho por Barrolândia, e chegamos na Belém-Brasíia, muito movimentada:  carretas, carros e caminhões, mas para nossa surpresa, rodovia relativamente boa, alguns buracos, as vezes falta de acostamento, mas seguimos  bem. Paramos para almoçar ainda no estado do Tocantins,mas com a noite se  aproximando decidimos  dormir em Porto Franco, já no estado do Maranhão. Paisagem  e sotaques diferente, mas igual a curiosidade em relação ao nosso ônibus azul.   Chegando na pequena cidade percebemos um ruído estranho na parte baixa do ônibus, alerta pra na manha seguinte procurar um mecânico em terras maranhenses.
2 dia terça feira, 06 de agosto
Um dia difícil!!!logo cedo Rafael e Carlos foram procurar mecânico em Porto Franco, e batata,  problemas no rolamento do Cardam??? não sei exatamente do que se trata, mas sei que tínhamos que trocar a tal peça, o que foi feito, mas tb descobrimos que um dos pneus traseiros precisava ser trocado, compramos um meia vida que durou meia hora!Nova parada na estrada para o borracheiro improvisar um conserto até chegar na próxima cidade, Imperatriz, e comprar outro pneu, dessa vez novo. Imperatriz é uma cidade grande, a segunda do estado do Maranhão, lá foi feito a compra e a troca do pneu,  mas  um pouco incomodados com a correira, o trânsito e a grande desorganização, resolvemos seguir em frente, mesmo que anoitecendo, até a próxima cidade, Açailândia, onde paramos pra dormir. Na verdade o dia de hj foi bem desgastante e rodamos  pouco, acho que 250Km, mas nada como um bom descanso pra restabelecer nossas energias pra o novo dia.
3 dia quarta feira, 07 de agosto
Caímos na estrada bem cedo, antes das 8h pois a idéia é chegar ainda hj em Belém, e assim foi, por volta das 12h  entramos no estado do Pará, almoçamos em Ipixuna do Pará onde conhecemos o simpático Sr. Francisco, alegre e conversador, nos apresentou o prefeito da cidade e disse que gostaria muito de conhecer esse nosso “teatro”, que o que ele conhecia mesmo era “só circo”, e a lembrança do palhaço era a mais forte. Muito interessante como a paisagem muda, a estrada continua muito movimentada, cheia de retas, vendedores na beira da estrada e muito chão pela frente. Por volta de 18h já na Grande Belém pegamos a primeira chuva e tb um trânsito já bastante conhecido por nós que moramos em São Paulo, depois de dias nas estradas foi impactante cair na cidade grande, buzinas, poluição, anoitece e as luzes da cidade pulsam em Belém. Infelizmente, na madrugada quebraram o vidro do nosso ônibus, roubaram algumas coisas, nada de muito valor, mas a sensação é muito ruim, a violência é realmente  um grande nó, e difícil de desfazer,  além do mais, conseguir um vidro para nosso Modelo 1960 é bastante complicado, mas no final de semana conseguimos fazer uma adaptação e estamos pronto pra seguir viagem.
                       Eliana Bolanho

8 de ago de 2013


São Paulo, 7 de agosto de 2013

O PRIMEIRO GRANDE PASSO

Participar do projeto “As Graças Circular Teatro, do Parque da Luz para o Brasil”, fruto do Prêmio Petrobras de Cultura 2011, está sendo uma experiência muito emocionante, digo isso porque após oito apresentações em São Paulo, no próprio Pq. da Luz, e mais seis por esse nosso Brasil (tão lindo, e que conheço tão pouco), duas em Goiânia-GO; duas em Planaltina-DF e duas em Palmas-TO, pude notar como o público se emociona diante do espetáculo.

Homens, mulheres e crianças aos poucos demonstram o que estão sentindo a cada cena do espetáculo, seja com uma longa risada, ou com lágrimas. Nesta proposta do teatro de rua fica nítido o rompimento entre as fronteiras do teatro convencional, onde cada um tem o seu espaço: palco (atores), e platéia (público).

Em um único lugar atrizes e público se misturam e cabe a elas (atrizes) conduzirem a platéia para cada cena. Mesmo sendo um espetáculo de rua “Marias da Luz” carrega consigo tamanha delicadeza e ludicidade que, em determinadas cenas, mesmo a céu aberto, temos a impressão de estarmos em uma sala fechada... mas na verdade estamos fechados pelo público, que como em uma arena cerca a cena, muitas vezes por completo, 360°, é incrível.

Até agora percorri o trajeto São Paulo-SP à Goiânia-GO, 916km; Goiânia-GO à Planaltina-DF, 248km; e Planaltina-DF até Palmas-TO, 825km, totalizando aproximadamente 1.989km, quase 2 mil quilômetros a bordo do nosso querido “Ônibus Azul”, um Mercedes Benz de 1960. Voltei à São Paulo, mais 1.777km, desta vez de avião, para respirar um pouco do ar da nossa famosa Avenida Paulista, matar saudade da mamãe, dos cachorros, lavar umas roupas e nesta sexta-feira, 9/8, embarco para Belém-PA pára continuar essa trupe.

Prestes a completar um terço das viagens só tenho que agradecer muito a oportunidade dada há anos, lá em 2003, de fazer parte desta equipe maravilhosa que a Cia Teatral As Graças reúne, agradecimentos especiais a Dani (Daniela Schitini), Eli (Eliana Bolanho), Ju (Juliana Gontijo ) e Vera Abbud, além de todos demais envolvidos neste projeto: André Carreira, Nereu Afonso, Daniel Maia, Carlos Ceiro e Rafael Leite.

Muita “merda” ainda vem por aí, até o próximo!!!

Tiago Passos Machado (Scooby)


APRESENTAÇÃO EM PALMAS - Eliana Bolanho


QUE TERRA QUENTE!!!NA TEMPERATURA BEIRANDO OS 40 GRAUS E NO PÚBLICO QUE VEIO COMPARTILHAR COM A GENTE AS HISTÓRIAS DE NOSSAS “MARIAS DA LUZ”,. PÚBLICO QUENTE, CARINHOSO E  ALEGRE.
NOS DOIS DIAS DE APRESENTAÇÃO PRECISAMOS ATRASAR UM POUCO PRA COMEÇAR O ESPETÁCULO PQ ESTAVA MUITO QUENTE. NO SÁBADO, DIA 03, TB HAVIA NO PQ CESAMAR UM EVENTO DE UMA IGREJA EVANGÉLICA , PROGRAMADO PARA AS 17H, O PQ ESTAVA LOTADO, MAS A NOSSA PRODUTORA LOCAL ANA CAROLIA AGUIAR, QUE FOI ÓTIMA,  CONSEGUIU COM O PASTOR RESPONSÁVEL ENTRAR NUM ACORDO PRA QUE O ESPETÁCULO PUDESSE ACONTECER COM UM POUCO DE ATRASO, SEM ATRAPALHAR TB O EVENTO DELES. DEU TUDO CERTO!!!
FORAM DOIS DIAS DE APRESENTAÇÃO, BASTANTE PÚBLICO, ACREDITO QUE MAIS DE 100 PESSOAS, TIVEMOS REGISTRO DAS TV ANHANGUERA (GLOBO) , SBT E RECORD,UMA DIVULGAÇÃO MUITO BACANA. COMO CHEGAMOS UM POUCO ANTES NA CIDADE, DEU PRA FAZER MATÉRIA NO PARQUE, ENTREVISTAS,   E AINDA EU DEI UM WORKSHOP NA SEXTA FEIRA A TARDE PARA ARTISTAS LOCAIS, UM ESPAÇO DE TROCA MUITO PRAZEROSO!!!
PRA FINALIZAR, PARABÉNS PRA TODA A NOSSA EQUIPE, QUE COM ALEGRIA CUMPRE MAIS ESSA ETAPA,E ACHO IMPORTANTE FALAR DA PRODUTORA ANA CAROLINA E SEU MARIDO DANIEL QUE FORAM IMPECÁVEIS, ALÉM DO TRABALHO DE PRODUÇÃO, TB FORAM PARCEIROS  O TEMPO TODO, PRESENTES E APAIXONADOS PELA ARTE, PELO TEATRO!


MEU ANIVERSÁRIO - Eliana Bolanho

ACHO QUE NUNCA FIZ ANIVERSÁRIO FORA DE SAMPA!!! ME LEMBRO UMA VEZ, COM 16 ANOS QUE PASSEI O DIA NA ESTRADA PEGANDO CARONA...
DE RESTO SEMPRE FAZENDO FESTA, OUVINDO PALAVRAS DE CARINHO, ENCONTRANDO OS QUERIDOS TODOS E  CANTANDO PARABÉNS VÁRIOS RSRSRS
MEU DIA DE ANIVERÁRIO DE 52 ANOS EM PALMAS FOI TB CHEIO DE FESTA!!!
FOMOS PRA TAQUARUSSU, QUE FICA A 30 KM DE PALMAS, UMA CIDADEZINHA MUITO SIMPÁTICA, COM SERRAS E CACHOEIRAS, UM POVO ACOLHEDOR COMO A DONA LENA DALVA, QUE JÁ NA PRAÇA VEIO CONVERSAR E CONTAR DA SUA VIDA, RECOMENDANDO MUITO QUE DEPOIS FOSSEMOS CONHECER  A SUA FILHA BETÃNIA QUE TRABALHA LÁ COM UM PONTO DE CULTURA “CANTO DAS ARTES”
ANTES , CLARO FOMOS A CACHOEIRA DA RONCADEIIRA, QUE SÃO DUAS, E QUE CACHOEIRAS!!!
LINDAS, EXUBERANTES, GELADAS, CHEIAS DE DELÍCIA!!!
CANTEI PARABÉNS DEBAIXO DE UMA!!!SALDEI MAMÃE OXUM, E FIZ FESTA SENTINDO A PRESENÇA DE DEUS, NUMA TARDE TÃO LINDA DO DIA DO MEU ANIVERSÁRIO!!!
TENHO QUE FALAR TB DA TRILHA PRA CHEGAR ATÉ LÁ, DELICIOSA!!!CHEIA DE FLORES, CIPÓS,
CANTOS E RECANTOS CUIDADOS E ENCANTADOS!!!
PELA TRILHA, RAFAEL, MEU AMOR, E TIAGO QUERIDO, PLANEJANDO OS LOCAIS DE CENA PRA “MARIAS DA LUZ”. O CIPÓ ENROLADO SERIA O VARAL DA  JU, A DANI IRIA CHORAR NA CACHOEIRA, O ONIBUS FICARIA ESCONDIDO ATRÁS DE UM MORRO ETC...UMA VIAGEM DIVERTIDA RSRSRS
 DEPOIS DE VÁRIOS BANHOS E MERGULHOS, VOLTAMOS PRA CASA, COM DIREITO A PARA PRA COMER E CONHECER O “CANTO DAS ARTES” ONDE FOMOS RECEBIDOS CARINHOSAMENTE...
A NOITE A FESTA CONTINUOU COM UM TUCUNARÉ NA BRASA E BOLO DE AMOR-PERFEITO!!!
FOI UM AMOR!!!
AGRADECIDA E RENOVADA, A VIDA SEGUE!!!








7 de ago de 2013


RELATOS DE VIAGEM POR ELIANA BOLANHO

PLANALTINA - PALMAS
SEMPRE TIVE ESPÍRITO AVENTUREIRO, A ESTRADA SEMPRE ME FASCINOU,  QDO TIVE A POSSIBILIDADE DE ESTAR NA ESTRADA NO NOSSO QUERIDO ÔNIBUS TEATRO QUE COMEÇA A CIRCULAR POR ESSE BRASIL AFORA, NAS VÉSPERA DE MEU ANIVERSÁRIO?! NÃO TIVE DÚVIDAS, MEU CORAÇÃO BATEU MAIS FORTE..
“CAIA NA ESTRADA E PERIGAS VER..”
EU VI!!!!
NO TRAJETO PLANALTINA A PALMAS EU COMEÇO ESSA AVENTURA CRIATIVA E REVELADORA, EU VI CÉU, CÉU, CÉU, AZUL,AZUL, AZUL-LUZ, NUVENS POUCAS, PASSAROS MUITOS, CALOR, NASCER DO SOL, POR DO SOL, ENCONTROS, SORRISOS LARGOS NAS PESSOAS QUE CRUZAMOS, PALAVRAS SINGELAS COMO AS DE ANA QUE QDO VIU NOSSO ONIBUS DISSE:
-“ FICA AQUI MAIS NÓIS????A GENTE GOSTA DE CIRCO”
- É TEATRO!!! (EU DISSE)
-“MELHOR AINDA!!!FICA AQUI MAIS NÓIS!!!!”

MINHA VONTADE ERA REALMENTE FICAR, OU MELHOR ,UM DIA PODER VOLTAR E PARAR TB NOS PEQUENOS POVOADOS QUE CUZAMOS...TERRA VERMELHA, POEIRA DE GRUDAR NA PELE, MAS DE UMA BELEZA  ARREBATADORA, O CERRADO NA SUA EXPLOSÃO  DE VIDA,NO MEIO DA SECA A SURPRESA DE UM RIO QUE DE REPENTE ATRAVESSA A ESTRADA, E COMO TEM ESTRADA...RETAS, RETAS, RETAS, MUITOS BURACOS, MAS MUITOS MESMO,!!!!!
PESSOAS QUE CRUZARAM NOSSO CAMINHO, CURIOSOS, SOLIDÁRIOS, TADEU “A LENDA”, TUTU, ANA, A MENINA YASMIN FOTOGRAFADA COM A MÁSCARA DE ....AS CRIANÇAS TODAS QUE CURIOSAS OLHAVAM PRA GENTE QUERENDO CHEGAR!
NAS PARADAS PRA COMER NOS PEQUENOS  RESTAURANTES NA BEIRA DA ESTRADA, COMIDA SIMPLES, BOA, SABOROSA...COM CERTEZA TENHO QUE VOLTAR RAPIDINHO PRA MINHA DIETA RSRSRSRS           
UAM PARADA PLANEJADA E MUITO ESPECIAL: A CIDADEZINHA DE NATIVIDADE, UM PRESÉPIO LINDO E COLORIDO, QUE ENCANTA A CADA ESQUINA COM SUAS CASA ANTIGAS, COLORIDAS E FLORIDAS, AS “RUÍNAS”  DA PRIMEIRA IGREJA , INCRÍVEL!!!! A CADA CANTO UMA PRAÇA, UM BANCO PRA DESCANSAR E PROSEAR!
E FINALMENTE O TÃO AGUARDADO AMOR PERFEITO!!!!    QUE DELÍCIA DE DOCE, FAZ JUS AO NOME!!! QUEM COMANDA TUDO É D.NANINHA, QUE NA VERDADE SE CHAMA ANA, SIMPÁTICA SENHORA QUE FAZ QUESTÃO QUE TODOS PROVEM O AMOR PERFEITO  SAÍDO DOS FORNOS, ALÉM DA PETA E DO CAFÉ, TUDO QUENTINHO, FRESQUINHO, CHEIO DE CARINHO.

A PARADA FOI ESPECIAL, MAS A ESTRADA NOS CHAMA, NA SAÍDA MAS UM POSTO BR PRA ABASTECER E LÁ FOMOS NÓS, EM DIREÇÃO DE MAIS UM ANOITECER...
PRA  TERMINAR ESSE CAPÍTULO PRECISO FALAR DA TRIPULAÇÃO RSRSR DELÍCIA DE FICAR JUNTO COM RAFAEL LEITE, QUE MANDOU SUPER BEM NA DIREÇÃO , ENFRENTANDO TODOS OS BURACOS E FALTA DE SINALIZAÇÃO, COM A ALEGRIA DO TIAGO MACHADO,  E O NOSSO ÔNIBUS AZUL QUE BRAVAMENTE ATRAVESSOU MAIS ESSA ETAPA, FORTE, ROBUSTO, E QUE POR ONDE ATRAVESSA CHAMA ATENÇÃO E DESPERTA UMA CURIOSIDADE NO OLHAR  DO PÚBLICO!

ANOITECE!!! O AZUL DO CÉU CONTINUA, AGORA COBALTO!!!
PALMAS ESTÁ LOGO ALI NA FRENTE!!!
CHEGAMOS!!!
PALMAS!!!!









29 de jul de 2013

O que ficou...



Em uma 3ª feira, 23 de julho de 2013, chegamos ao DF (Planaltina) deixando Goiânia (GO) para trás depois de colhermos algumas informações sobre as impressões deixadas pela performance do Grupo no Parque Flamboyant.
 Depois da apresentação do espetáculo “ Marias da Luz”, as impressões que ficaram foram as melhores. No dizer de pessoas como Darwinson e Izabelzinha “deixou saudade”, sendo que para outros como no caso da Andréia e Maria Tereza, “ foi o melhor espetáculo que já vi”.
Mas a vida segue e o ônibus “As Graças” também e assim, numa terça feira nublada e fria deixamos o Hotel Umuarama em Goiânia. Uma neblina ( não muito densa ) nos alcançou na região de Anápolis e logo depois de um leve chuvisco que não chegou a se firmar, atravessamos a divisa do Distrito Federal com o sol brilhando, aquecendo e nos obrigando a abri mão das blusas que nos aqueciam.
Assim chegamos à Planaltina onde nos hospedamos no setor tradicional, uma parte antiga da cidade, de arquitetura colonial que já estava presente aqui antes do município se transformar em cidade satélite do Distrito Federal. Localizada a 27 km do Plano Piloto, a cidade como como todas as outras que fazem parte do complexo metropolitano do DF, sofre os males tão comuns dessa metrópole tais como abandono pelo fato de ter se tornado cidade dormitório, violência e trânsito infindável que torna muito difícil o acesso à cidade.
Rafael Leite
Planaltina-DF

24 de jul de 2013


Saída de São Paulo no dia 17 de julho de 2013.
Chegada no estacionamento por volta das 5:52h. Depois dos acertos finais e arrumações, saímos da Ponte do Jaguaré às 7:38h.
Uma neblina densa cobria toda a cidade e quase não víamos as construções ao lado da Marginal do Rio Pinheiros. Depois de mais ou menos 25 minutos, acessamos a  Rodovia dos Bandeirantes com destino à Goiânia (GO).
A princípio, preocupados com o desempenho do ônibus, que acabou de passar por uma revisão de motor, somada ao acréscimo de turbos, câmbio e embreagem também novas. Depois do café da manhã (Km 28) da Rodovia dos Bandeirantes, abastecimento e verificações de praxe, na estrada percebemos que o desempenho ônibus estava além das expectativas.
Com o surgimento do sol que sempre traz calor, luz e alegria de vida, partimos os três ( Antonio, Scooby e eu), ao encontro desse com certeza trará muita transformação na vida desses “Argonautas” que embarcaram nessa nave rumo ao futuro. À esse Brasil que abre os braços e nos convida à receber esse abraço maravilhoso que daremos e receberemos desses irmãos tão queridos. 

Rafael Leite
Rafael Leite
 

23 de jul de 2013


Em visita técnica a Goiânia em junho e com a parceria da produtora local Marci, fizemos a visita a alguns lugares possíveis para a realização do espetáculo: o parque Vaca Brava, a Praça dos Trabalhadores e o Parque Flamboyant, esse último já tinha sido indicado pelo Dionisio do grupo Teatro que Roda. Levando em consideração alguns fatores, como o acesso do ônibus e sua circulação durante o espetáculo, o espaço para adaptação das cenas e a concentração de público, foi escolhido o Parque Flamboyant. Apesar de o ônibus não poder entrar na área do parque, era possível circular com ele e levar o público até as cenas realizadas no ônibus, pois o parque é circundado pela rua e não tem grade. Outros elementos eram favoráveis como a presença da casa da administração do parque no local escolhido e locações que também se aproximavam um pouco do parque da luz: a presença de um lago, de bancos de praça e de uma área verde mais plana. 
 Daniela Schitini

22 de jul de 2013

Diário de bordo das Marias da Luz
Dias  20 e 21 de julho de 2013
Parque  Municipal Flamboyant Goiânia - GO

Dia 20
Do parque da Luz para o Brasil

No dia 20 de julho, no parque municipal Flamboyant, em Goiânia, começou nosso grande desafio, de levar nosso espetáculo Marias da Luz, criado a partir da nosso vivência de um ano e meio de ocupação no parque da Luz em São Paulo, para 12 capitais brasileiras.
E muitas foram as dúvidas, angustias e questões a serem resolvidas. Desde questões conceituais e artísticas a questões praticas e concretas, para adaptarmos da melhor maneira possível, o espetáculo em um parque com outra realidade social e física.
Onde começar o espetáculo? Qual trajetória mais orgânica pra que ele aconteça? Como a dramaturgia criada das histórias recolhidas em São Paulo, cabem nesse novo contexto? Como adaptar o trajeto do nosso ônibus, de forma que, mesmo que ele não entre dentro do parque, como acontece na Luz, o espetáculo vá encontra-lo sem prejudicar a história que estará sendo contada?
Scooby, nosso técnico
Depois de horas de trabalho, chegamos na forma que nos pareceu melhor e começamos nosso espetáculo as 16h e um dia nublado, quente e acolhedor.
E as pessoas foram se aproximando aos poucos. No começo, sem entender direito o que estava acontecendo ali, o que aquela mulher fazia escrevendo no chão, porque uma painel de crianças desaparecidas em um lugar onde tantas crianças vão brincar… Aos poucos, esse público vai crescendo e no final do espetáculo, mais de cem pessoas nos acompanhavam.
Enfim, descobrimos na prática que as histórias dessas mulheres, que nos inspiraram no parque da luz, em São Paulo, em 2012,  se comunicam com as pessoas de qualquer lugar, pois são histórias que poderiam ser de qualquer mulher em qualquer tempo ou lugar!


Dia 21
Em um dia de sol

Rafael Leite
No segundo dia, agora com mais domínio do espaço físico e da trajetória do espetáculo, as Marias da Luz encontraram uma tarde ensolarado e quente em Goiânia. E como todo parque em dias quentes e ensolarados, muitas crianças correndo e brincando. Realidade diferente a nos adaptarmos. No parque da Luz, o número de crianças é muito pequeno e a maioria delas, ficam no parquinho, distante do local onde realizamos a peça. E nosso espetáculo não é infantil, embora seja livre para qualquer público que esteja no parque. Mas sem dúvida, foi o dia que tivemos o maior número de crianças no espetáculo. E elas acompanham, discutem com as personagem, oferecem ajuda… Outro grande aprendizado nessa caminhada pelo Brasil.
No número musical, onde Rafael Leite representa agora os músicos que tocam no parque na Luz e que, em São Paulo, fazem parte do nosso espetáculo, algumas delas dançavam e vinham conversar com as atrizes.
Esse é um grande desafio do teatro na rua. E um grande prazer também. O espetáculo nunca terá o mesmo texto, o mesmo formato e o mesmo tempo que, de certa forma, a sala preta dos teatros nos garante. Ele se modifica muito mais fortemente pelo público, pelo tempo, pelas diferenças físicas do espaço cênico.
Obrigada Goiânia, por nos proporcionar um início de temporada com tantos desafios e alegrias.
Obrigada pelos parceiros locais, que nos ajudaram a realizar a primeira etapa da nossa jornada pelos parque do nosso Brasil.


Caímos na estrada começando por Goiânia!

E começamos lindamente. A escolha do Parque Flamboyant foi ótima, apesar do ônibus não circular dentro do parque, conseguimos dar uma boa solução e as cenas ficaram lindas. O público,  que não esta acostumado com teatro itinerante, nos recebeu muito bem, acompanhou cada segundo.
Foi divertido e emocionante.
Foram dois dias de trabalho intenso, mas muito gratificante.


A caravana segue pra Brasília...


20 de jun de 2013


Estreia. No último fim de semana nossas Marias da Luz iniciaram a sua jornada, trazendo algumas das inúmeras histórias, sensações, emoções que foram compartilhadas com o grupo nesse longo processo de pesquisa e de escuta. Um ano e meio convivendo com esse espaço tão rico, forte e delicado, que revela parte da história e origem da nossa cidade, da nossa formação, do nosso caminho. Foram muitos depoimentos, encontros inesquecíveis. O Parque da Luz nos acolheu, pois essa é a sua vocação, ele recebe as pessoas de diferentes lugares, ele oferece possibilidades de encontros, de novos caminhos. Em grande parte das vozes que ouvimos fica evidente o afeto, o carinho que as pessoas sentem por esse jardim de tantos anos. Agora nossas Marias da Luz estão em cena, celebrando esse lugar e sobretudo, celebrando a sua gente. Através delas queremos levar as vozes, imagens, sentimentos do Parque, daqueles que chegaram aqui, passaram por aqui, ficaram, partiram. E agradecemos a todos que tornaram isso possível, a cada um que conversou com o grupo, que nos abraçou, as pessoas que participaram e a toda equipe do espetáculo.
Na estreia, antes de começar o espetáculo, algumas das Marias que nos inspiraram estavam lá, a nos dar o seu carinho, o seu abraço, o seu cuidado. O espetáculo é dedicado a elas.
Vamos em frente, vamos nesse trem. Estão todos convidados para essa viagem. Venham!
Ficamos em São Paulo, todos os sábados e domingos 16hs até 7 de julho.
E depois: do parque da Luz para o Brasil!


Imagem feita em cena do público no segundo dia

12 de jun de 2013


Espetáculo Marias da Luz-

Parque da Luz, ou melhor, Jardim da Luz. O primeiro de São Paulo. Um lugar onde passado e presente convivem em cada recanto, criando a possibilidade de um novo, de um outro tempo. Um tempo que abarca a realidade, mas também a ultrapassa. Um tempo habitado por pessoas de todos os lugares do Brasil e do mundo. Pessoas com as mais diversas histórias, idades, experiências. Algumas sentadas nos bancos, trabalhando. Outras, esperando, procurando uma conversa ou um momento de silêncio. Algumas passeando com a família, visitando o museu. Outras solitárias. Crianças, adultos, velhos. Todos habitando esse mesmo lugar. Um lugar de chegada e de partida, mas também onde é possível estar, ficar, ser. Um ponto de encontro. Da beleza, da glória com a decadência. Da alegria, do prazer com a solidão.
São tantos os caminhos possíveis para criar uma dramaturgia a partir do contato com esse espaço único em São Paulo, tantas as vozes, as imagens, as sensações, que durante o processo de trabalho do grupo no Parque da Luz o desafio se tornava maior a cada momento. Como criar um trajeto que possa contemplar todos esses caminhos, visões e vontades diferentes?
Nesse um ano e meio em que estivemos no Jardim da Luz, encaramos esse desafio. Foram inúmeros depoimentos recolhidos pelo grupo, todos revelando histórias, lembranças e principalmente o afeto de cada um por esse lugar. Todos revelando uma busca contínua, uma batalha por sobrevivência, por dignidade, pela possibilidade de encontro e de acolhimento.
O processo foi longo, intenso, muitas vezes dolorido, as escolhas sempre muito discutidas, debatidas, mas chegamos a um olhar que talvez possa representar o grupo. O nosso olhar, o nosso depoimento sobre esse jardim tão diverso: o espetáculo Marias da Luz.
As nossas Marias trazem para a Luz um pouco das histórias de mulheres e homens que dão vida a esse parque. São Marias de agora e de antigamente. Marias que saem de retratos de tempos diversos e se fazem presentes hoje, com seus desejos e suas feridas. Marias capazes de atravessar esses tempos e espaços sem desistir da busca por amor, por afeto e por um lugar onde é possível ser aceito, ser sujeito de sua própria frase. Marias que transformam a dor em luta, o abandono em encontro, criando novas possibilidades. Novas possibilidades de vida e de arte. De retratos do Jardim da Luz. Retratos em movimento, de um lugar que nunca está parado no tempo. Um lugar de ontem, de hoje, de sempre.

                                                      As Graças

19 de abr de 2013

PALESTRA sobre o Nova Luz e a Luz Nova Nova

Foi demais a palestra com a Paula Ribas dia 09/04!
Nosso carinho e agradecimento  a ela e ao Paulo Farias que nos cedeu o espaço na Sede do Pessoal do   Faroeste.
E ninguém melhor que a própria Paula pra contar como foi essa vivência...
Segue abaixo as impressões registradas no blog dela.
Vale muito à pena acompanhar para saber mais sobre esse forte movimento na região da Luz:
http://www.apropriacaodaluz.blogspot.com.br

terça-feira, 16 de abril de 2013

PALESTRA sobre o Nova Luz e a Luz Nova no centro de SP

Fotos: Paula Ribas

Caros parceiros e parceiras,

no dia 09 de abril, realizamos uma palestra no teatro do Pessoal do Faroeste, sobre as questões de luta em prol da moradia na região impactadas pelo projeto Nova Luz, bem como, os movimentos e ações que construímos para trazer a organização local e o enfrentamento a gentrificação (expulsão da população local). 

A palestra foi realizada pelo grupo teatral "As Graças"   que nos últimos dois anos, tem trazido teatro para a região da Luz, em especial, no parque da Luz. E se concentrado em entender e saber sobre as lutas e os enfrentamentos da sociedade civil local com relação aos projetos que se iniciam na região.

Além dos integrantes do grupo, estiveram também presentes convidado de diversos e distintos graus de interesse pela região. A presença de estudantes, pesquisadores, interessados de maneira geral. 

Mostrei uma apresentação com fotos e fatos para contar nossa trajetória, organização  enfrentamento nos últimos 2 anos até o engavetamento do projeto Nova Luz. 

Telão da apresentação durante palestra no teatro

 As pessoas estavam muito interessadas e depois da apresentação com os slides, teve uma rodada de perguntas em meio a um debate com os presentes sobre impressões pessoais de como as pessoas percebem esse momento de mudanças no centro de São Paulo. 

Percebi o interesse latente sobre o desafio em se morar e em ser "percebido" pelo poder público na região. A questão do crack e dos dependentes químicos foi discutida e queriam saber como vemos essa situação. Pudemos falar também sobre o abandono que a região sofre por parte do poder público e a falta de iniciativa competentes e se lidar com questões básica como: o lixo, iluminação e calçadas. Além da poluição sonora que assola o local de Santa Ifigênia. 
Durante a apresentação (com fotos) sobre a organização e a mobilização
na época do projeto Nova Luz


Mais uma vez sinto o quanto há por se fazer pela região. Há muitas pessoas , grupos, instituições interessadas em participarem dessa ação conjunta e de construção. 
Foi muito bom compartilhar com artistas e pessoas críticas que discutem essa situação social que envergonha também quem não está na região de Santa Ifigênia e Luz.

Foi uma ótima experiência e troca.

Valeu e grata ao grupo As Graças  por esse trabalho por meio do teatro na região da LUZ.

Beijos
Paula Ribas